sexta-feira, 30 de junho de 2017

RELEMBRANDO...



Pois é. Antes de relembrar o nosso amigo Carlos Silva, e ainda não refeito do que se passou com os fogos a semana passada, eis que surge outra calamidade. È diferente, mas não deixa de ser também uma calamidade ou se quiserem, uma vergonha! Estou a referir-me ao assalto em Tancos de onde foram "roubadas"armas, granadas, munições etc, etc... . Pela parte que me toca, é mais uma vergonha para o nosso país e para os nossos governantes. Mas que bem protegidas estavam aquelas instalações! Então, aquelas instalações (nos tempos que correm) não deviam estar protegidas com um bom sistema de alarme? Digo eu...! Foi um buraco na rede... Só? É simplesmente: Não digo...

Deixando agora esta roupa suja para lavar na Assembleia da República, vamos então relembrar o nosso camarada Carlos Silva e ao poema que ele escreveu, dedicado á Fonte D`Almoinha onde ele nasceu e se criou:

Junto à fonte d`Alminha            Á velha fonte d`almoinha
É que eu nasci e me criei            Nem sei como agradecer
Agora sei o bem que tinha         Matou a sede que eu tinha
No tempo em que lá morei         Sempre que nela fui beber

Água da fonte pura e leve           Atrás de ti tanto corria
Sai sempre da bica a correr        Sem nunca te apanhar
Mata a sede a quem a bebe         Corre a fonte noite e dia
Mais quem a queira beber          Como tu sem se cansar

Foi na fonte d`Almoinha             Vai à fonte d`Almoinha
Que a quarta partiu a asa           À água fresca p`ra beber
Ela sem querer, coitadinha         Não partas a cantarinha
Nem queria entrar em casa        Que a mãe te pode bater

Vou fazer-te companhia             Agora que és mocinha
Até á fonte d`Almoinha              Lá vais tu à fonte lavar                                                  
Assim se te cair a rodilha           Trás a roupa lavadinha 
Já não te ajudas sozinha            Não te percas a namorar

Foi ao colo de minha mãe          E se chegares a ser velhinha
Que aprendi a vir à fonte          Sobe as escadas mais devagar
Conheço-a como ninguém         No adeus à fonte d`Almoinha
Ali morei quase de fronte          É que as bicas hão-de chorar 

E assim, mais uma vez, o nosso camarada Carlos Silva, foi lembrado no nosso blog.

Esperando que a próxima semana traga melhores notícias, desejo a todos um bom fim de semana e quem já está de férias que as gozem bem gozadas com muita saúde.

        Para todos um grande abraço. SANTA.



                      
             
 





Sem comentários:

Enviar um comentário